Bairro Pedro de Valdivia Norte

Por décadas, o bairro Pedro de Valdivia Norte tem sido considerado por renomados arquitetos como uma “ilha urbana” ao interior de Santiago, graças a uma qualidade privilegiada: é o suficiente da agitação da cidade, mas, ao mesmo tempo, suficientemente perto de seus principais serviços e atividades. Conheça mais de sua história neste post de Casa de Joana.

Situado entre o Cerro San Cristobal e o Rio Mapocho, este setor começou a ser habitado nos anos 50’s por aqueles que procuravam seguir o modelo inglês de “cidade jardim”: um lugar de vastas áreas verdes, no qual se pode viver em uma escala de bairro e com um crescimento urbanístico controlado.

Hoje, o bairro Pedro de Valdivia Norte mantém três características fundamentais que continuam a atribuir como uma das “jóias” da comuna de Providencia: qualidade urbana (de um ambiente próprio de parque urbano, uso de bicicleta), conectividade (com transportes públicos como o Metro e Transantiago), e proximidade com os serviços (diversidade de comércio, oferta gastronômica e proximidade com escolas, universidades e o centro financeiro da capital).
Edifício emblemático do bairro é a Casa do Contador, localizada na rua Do Comendador N°1916. A sua construção em adobe, realizada por volta de 1780 por Francisco Antonio Avaria, é um valioso exemplo de arquitetura rural suburbana desenvolvida em torno de um corpo original no município, e constitui um fiel testemunho da época colonial no Chile.

Até 1938, Luis Martínez, proprietário do total das fazendas, decide vender 30 hectares para realizar projetos imobiliários, os quais integravam a execução de um bairro modelo, com edifícios residenciais de não mais de 3 andares e uma igreja central. Junto com a venda, Martínez constrói a ponte Pedro de Valdivia para ligar o setor norte e sul do rio Mapocho. Desta forma, foi tomando forma o atual núcleo residencial, que possui entre suas características uma baixa densidade populacional e casas individuais, não emparelhadas, que incluem jardim privado e edifícios de altura nas bordas do bairro.

Em relação à Casa, O Contador, esta foi declarada Monumento Histórico Nacional em 1974 e, atualmente, é a Faculdade de Arquitetura, Design e Estudos Urbanos, da Pontifícia Universidade Católica.
Uma identidade intransable
Para percorrer o bairro, um bom ponto de partida é a Praça da Índia, localizada na ponta de diamante formado entre as avenidas Santa Maria e Os Conquistadores. Cercado para o norte para a Clínica Indisa e o parque Santa Maria para o sul, o hotel foi remodelado em 2011, com fundos do governo indiano. Nele, destaca-se um jogo de tanques em cuja cabeceira há três estátuas dedicadas a personagens históricas da Índia: o líder pacifista Mahatma Gandhi, o político Jawaharlal Nehru e o filósofo e escritor Rabindranath Tagore.

Se seguimos por Carlos Casanueva para o norte, chegaremos até a Av. Cerro, que rodeia a encosta do Cerro San Cristóbal. Na altura da avenida Pedro de Valdivia Norte (eixo do bairro) encontramos uma das entradas para o Parque Metropolitano, que dispõe de rotas para a cimeira para veículos, ciclistas e pedestres (o Teleférico está em reparos). Para o oriente, Av. do Cerro dispõe de jogos e máquinas de exercícios, para uso dos moradores.

Outra artéria importante é Av. Pai Letelier, através da qual se acede-se a dois importantes espaços de encontro social: a Paróquia Da Sagrada Família (Os Missionários 2176) e a praça Padre Letelier, localizada no canto com Os Navegantes. O local, cercado em forma de U por um grupo de antigos departamentos de tijolos, é o lugar natural para o lazer de crianças, jovens e famílias.
Segundo sustentam diversas consultorias, atualmente, o perfil dos habitantes deste setor é de jovens profissionais, em geral, provenientes da arquitetura e o mundo criativo.

Dois populares locais circundantes a encosta sul da praça: o “Leo”, verdulero do setor desde 1982, e o café “Clementina”, que há oito anos serve pequenos-almoços e almoços (bolos, sanduíches, quiches, lasanhas, bolos, croissants, etc.). Leonardo Urzúa , o dono do primeiro, assegura que a vizinhança mudou desde então. “Eu vivi em primeira linha, do ano 95′ em diante, houve uma mudança geracional. Chegaram recém-casados com puros filhos chiquititos, no entanto, agora cresceu, a família aumentou, e eles são os que colocaram a força para que este bairro se mantenha residencial”, lembra.

A partir do Clementina, sua dona Vera Kraemer tem uma visão semelhante. “Tem gente que ficou com a casa dos pais, que eram os antigos vizinhos. Ou é gente que viveu aqui, se foi, e voltou para o bairro. E muito arquiteto, muito designer”, conta.

Vera conta que os vizinhos, mesmo se juntam para fazer assados na praça nos finais de semana. Ela costuma fornecer toalhas de mesa, mesmo que não sejam clientes. “Aqui, os vizinhos trazem grades, alugam castelos infláveis (aniversário). Instalam mesas, cadeiras, há assados até 40 pessoas. Se, no final, a praça já que compartilhá-la ou será? Se o espaço público é de todos”. Em seguida, explica esta particular forma de interação entre clientes e vizinhos. “Os vizinhos cuidam jan ambiente e protegem farto desta praça. Na verdade, tentamos que as pessoas a deixe super limpa, que se faça como uma comunicação fácil entre nossos clientes -que não são pessoas habitual do bairro – e as pessoas daqui.

Vizinhos que sabem defender sua identidade
Os últimos anos não foram de todo tranquilos para os moradores do bairro Pedro de Valdivia Norte, que são visto como os diferentes projectos imobiliários são ameaçado alterar a qualidade de “ilha urbana” característica do setor. É assim como acusam que a construção de um projecto como a Clínica Indisa, o Costanera Center e os dois edifícios actualmente se levantam ao lado da Torre de Santa Maria, aumentaram os tacos e transformou o lugar em um “parque de estacionamento público”, devido à nova população flutuante que chega durante o dia.
Mas, sem dúvidas, o maior episódio de conflito entre vizinhos e autoridades, foi durante a construção do Túnel São Cristóvão, que atualmente sai por Av. Cerro, no limite leste do bairro, e conecta Os Conquistadores, Santa Maria e auto-Estrada Litoral Norte.
Neste tópico, a visão de Leonardo é matizada. “Sem dúvida, o túnel sim complicou um pouco, porque a gente teve muito medo. Mas todo o assunto, agora, do Litoral, dos edifícios que estão sendo construídos agora em Santa Maria fortaleceu um pouco ao setor. Eu falo do meu lado comercial, pela quantidade de pessoas que vem trabalhar para os edifícios. O centro comercial esta maçã é super potente, super completo: tem uma boa botillería, café, restaurantes, mini-mercado”, diz.
Em 2013, um polêmico estudo realizado pela consultoria AGS Visão Imobiliária estabeleceu que o setor deixou de ser residencial e tinha se transformado em uma área comercial. De acordo com o documento, os escritórios (em seu conjunto total) totalizava o 54,7% do uso do solo. As casas, em tanto, capturavam o restante 45,3%.
Leonardo compartilhe este diagnóstico. “É verdade, eu estou há mais de 30 anos, atendia a tudo o que é de Santa Maria e Os Conquistadores, em média, a 20, 25 famílias em tudo o que era a parte fruta, verdura, que é o nosso forte. Hoje em dia não há nenhuma casa habitacional nessas ruas, e se é que há é uma entremedio, são todas escritórios (…) isso fez mudar um pouco o bairro, não a qualidade de vida, mas o movimento em si”.

Outros, como, Isidora Kraemer, reconhecem a sua fidelidade ao bairro, ainda acima de seus interesses pessoais. “Se me perguntas por o negócio, obviamente, me importa que se encha de escritórios. Mas, sendo sincera, eu gostaria que se mantivesse o tema residencial. Eu gosto do que na parte da tarde, você vê que as crianças ainda brincam na praça, que a vida não é apenas o computador em casa, que é o que se vê em outras partes. Que as mães são dedicadas a seus filhos, você vê na praça, e gostam. Eu gosto disso, e me daria pena que se perca”.

Dados:
Enfermagem Padre Hurtado (dedicada a oferecer cuidados e tratamentos a doentes de forma domiciliar): Pedro de Valdivia 0211.
Supermercado Dez: Os Conquistadores 2230 / 2260
Restaurante Divertimento Chileno, especialidade em comida típica chilena, peixes e frutos do mar, carnes: Parque Metropolitano, Av. Cerro, canto Pedro de Valdivia Norte.
Pizzaria Massa PazzaPizzeria: Os Conquistadores 2248.
Café Clementina: Os Conquistadores 2242
Sacolão Onde O Leo (escritório em casa): Os Conquistadores 2280
Bikesantiago: Estação Universidade Católica, Campus Contador: na esquina entre Dom Carlos Casanueva e O Comendador.
Bairro Pedro de Valdivia Norte